Vem aí a segunda edição do FIQ Jovem!

A Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), por meio da Secretaria Municipal de Cultura (SMC) e da Fundação Municipal de Cultura (FMC), e o Instituto Periférico confirmam a realização da segunda turma do FIQ Jovem – Curso de Formação de Quadrinistas. Em correalização com o Sesc em Minas, o FIQ Jovem 2018 vai oferecer aulas gratuitas, entre os meses de agosto e dezembro de 2018. O curso é um dos desdobramentos da 10ª edição do Festival Internacional de Quadrinhos de Belo Horizonte (FIQ-BH), realizada de 30 de maio a 3 de junho na capital.

Mais do que ensinar a fazer quadrinhos, o objetivo do FIQ Jovem é desmistificar a produção de HQs e mostrar aos alunos como cada pessoa, com suas próprias vivências e influências, pode encontrar sua forma de contar histórias dentro desse meio.

“Temos muito carinho e um olhar especial para o FIQ Jovem que, além de dar continuidade às ações de formação fora desse período concentrado que é o festival; contribui, com os cursos que oferece, para a renovação e capacitação dos quadrinistas, um passo importante para a profissionalização do campo. Ele é uma espécie de elo entre a produção de quadrinhos e o mercado, uma política que vai desencadear tanto na produção narrativa e de sentidos por meio da criatividade dos quadrinistas, quanto na economia do setor”, comenta o secretário municipal de Cultura, Juca Ferreira.

O Sesc em Minas promove a continuidade da atuação do FIQ, por meio do FIQ Jovem. “Oferecer à sociedade uma política cultural diversa e integrada, por meio de parcerias com projetos como o FIQ, é a oportunidade de constituir uma forma de expansão de conhecimentos, práticas simbólicas e estéticas, de inclusão e integração social, de exercício de cidadania e de geração de renda e atividades econômicas. Proporcionar a continuidade deste programa, que já está consolidando entre a classe artística, é uma honra, e converge com a diretriz de atuação nas atividades de formação profissional e promoção de reflexão acerca da prática artística”, pontua a gerente geral de Cultura do Sesc em Minas, Eliane Parreiras.

As aulas são voltadas para pessoas que já tenham alguma relação com a criação de quadrinhos, mas que ainda não se profissionalizaram. Sendo um espaço de preparação profissional e de reflexão sobre a produção em quadrinhos, o curso será ministrado por um corpo docente de experientes profissionais da área, responsáveis por apresentar e desconstruir conceitos referentes às narrativas gráficas.

O FIQ Jovem 2018 – Curso de Formação de Quadrinistas é gratuito e vai ofertar 25 vagas. As informações e inscrições estarão disponíveis no site do FIQ-BH (www.fiqbh.gov.br), a partir da segunda quinzena de junho.

Sobre o FIQ Jovem 2016

Realizada no segundo semestre de 2016, a primeira edição do FIQ Jovem promoveu a formação de 21 quadrinistas. As histórias em quadrinhos assinadas por cada um dos participantes foram publicadas na Coletânea FIQ Jovem – Turma de 2016.

O estudante de Cinema de Animação (UFMG), Rafael Torres, foi um dos participantes da primeira edição do curso, quando publicou na coletânea “Gaiola”. “Eu já tinha contato com a área, mas não tão imerso. O FIQ Jovem foi uma porta que se abriu para mim, no sentido de aprendizado e de contatos”, conta. E o aprendizado gerou frutos: na edição o FIQ-BH 2018, Rafael lança “Melina” livro de sua autoria. “Muito do que eu usei no livro, aprendi no curso. Forma de enquadramento, técnicas narrativas, uso de cor montagem”, ressalta. O drama “Melina” narra a história das mudanças pelas quais passam a personagem central, por meio de abordagens de relações inter e intrapessoais.

Outra aluna que participou do FIQ Jovem 2016 é a estudante de Design Gráfico (UEMG), Júnia Souza. Na coletânea, ela publicou o quadrinho “Peças”. “Desde criança, me interesso por quadrinhos. Comecei a pensar na ideia do desenho e ilustração e procurei uma maneira de aperfeiçoar”, explica. Para ela, a experiência no curso possibilitou o contato com profissionais que abordaram questões do mercado e do desenvolvimento de histórias. “Vimos o processo, passo a passo, desde o começo da ideia, da formulação, até a fase final de produção e acabamento. Foi uma experiência maravilhosa, tivemos embasamento maior para produzir projetos próprios”, conta. Júnia tem se dedicado a um novo quadrinho e a outros projetos no mercado editorial. No FIQ-BH 2018, ela participa com uma história no coletivo “Grimório”, uma antologia sobre bruxas.