Programação completa Auditório Toninho Mendes

Confira a programação completa do nosso auditório, que leva o nome do grande Toninho Mendes (saiba mais sobre os homenageados nos espaços do #FIQ2018 aqui).

As sessões do auditório estão sujeitas à lotação do espaço. É necessária a retirada de senha na Secretaria do Evento, a partir de duas horas de antecedência de cada atividade.

Para conhecer os participantes das atividades, confira a nossa sensacional lista de convidados!

Horário: 10h30
Duelo HQ: Desafio de desenhos com quadrinistas e participação do público.

Horário: 15h
Duelo HQ: Desafio de desenhos com quadrinistas e participação do público.

Horário: 16h30 – Abertura oficial

Horário: 18h
Editando quadrinhos no Brasil. Desafios e conquistas no trabalho de editar quadrinhos no Brasil. Com Janaina Luna, Guilherme Kroll, Cecilia Arbolave e Rogério de Campos. Mediação de Carol Rossetti.

Horário: 19h30
Quadrinhos e prosa literária. As aproximações e convergências entre a linguagem literária e os quadrinhos. Com Lu Cafaggi, Milena e Lelis. Mediação de Lucas Ed.


Horário: 10h30
Fronteiras dos quadrinhos: jogos. O mercado de trabalho e o fazer artístico que aproximam os quadrinhos dos jogos. Com Daniel Lima, Mariá e João Victor de Oliveira Rodrigues. Mediação de Filipe Faria Morais.

Horário: 12h
Resistência e feminismo com Claudia Ahlering. A trajetória da quadrinista alemã Claudia Ahlering, autora de Ghetto Brothers. Mediação de Ana Luiza Koehler.

Horário: 13h30
Duelo Hq:  Desafio de desenhos com quadrinistas e participação do público

Horário: 15h
Quadrinhos e representações históricas. Quadrinhos que se passam em períodos históricos falam mais sobre o passado ou sobre o momento em que são produzidos? Bate-papo sobre recriação de época, pesquisa e fidelidade histórica. Com Hugo Canuto, Marcelo D’Salete e Flore Balthazar. Mediação de Ana Koehler.

Horário: 16h30
Lugar de fala e criação de personagens. Como contribuir de forma construtiva para a melhor representatividade de pessoas e o respeito às vivências de grupos sociais, na criação de personagens e narrativas. Com Ellie Irineu, Robson Moura, Lila Cruz e Gauthier. Mediação de Carol Rossetti.

Horário: 18h
Bate-papo com Érica Awano. Bate-papo sobre a vida e carreira da quadrinista homenageada do FIQ 2018, Érica Awano.  Mediação de Germana Viana e Carol Rossetti.

Horário: 19h30
Clichês, estereótipos e outras armadilhas. Produzindo quadrinhos originais e representativos: uma conversa sobre a importância de fugir do lugar comum tanto na construção de narrativas quanto no desenvolvimento de personagens. Com Mylle Silva, Aline Lemos e Cadu Simões. Mediação de Luis Felipe Garrocho.

Horário: 10h30
Fronteiras dos quadrinhos: Cinema de Animação. O mercado de trabalho e o fazer artístico que aproximam os quadrinhos da animação. Com Dika Araujo, Davi Calil, Cris Eiko e Leo Finnochi. Mediação de Daniel Werneck.

Horário: 12h
Quadrinhos experimentais. Os quadrinhos são uma linguagem, e não um gênero literário. Então quais são os elementos que definem o que é, e o que não é uma história em quadrinhos? Velhos dilemas são revisitados e renovados em obras que exploram os limites dessa forma de arte.  Com Paula Puiupo, Lucas Ghere, Guazelli e PôLly. Mediação de Julhelena.

Horário: 15h
O que é (e o que não é) mangá brasileiro. Os quadrinhos japoneses conquistaram o mundo, e hoje existem artistas das mais diversas nacionalidades fazendo mangá dentro e fora do Japão. Como funciona isso na cabeça de quem faz e lê quadrinhos japoneses feitos no Brasil? Com Dharilya, Virginia Froes, Everaldo Valdo. Mediação de Hilton Rocha.

Horário: 16h30
Quadrinhos e divulgação científica. As potencialidades da linguagem dos quadrinhos no trabalho de divulgação das ciências no Brasil e no mundo. Com Marco Merlin, Ricardo Tokumoto e Ana Koehler. Mediação de Luciano Queiroz.

Horário: 18h
Bate-papo com Dave MacKean. Bate-papo com o quadrinista britânico Dave McKean, autor de Black Dog, Asilo Arkham, Mister X, John Constantine, Violent Cases, Sandman, Orquídea Negra, Monstro do Pântano, Voodoo Lounge. Mediação de Daniel Werneck.

Horário: 19h30
Quadrinhos de terror. Este gênero já foi um dos grandes expoentes dos nossos quadrinhos, lançando grandes nomes e praticamente alicerçando toda a produção nacional. Qual a importância e o legado deixado pelo terror nos quadrinhos brasileiros? Ainda é um gênero apreciado por leitores e autores? Com Cida Godoy, HIlton Rocha. Mediação de Daniel Werneck.

 

Horário: 10h30
O Herói ontem e hoje. Análise sobre as mudanças na criação dos heróis dos quadrinhos da década de 30 até os dias de hoje. Com Rogê Antônio, Carol Cunha, Adriana Melo e Eduardo Pansica. Mediação de Marcio Fiorito.

Horário: 12h
Narrativas visuais. O processo de escrita dos desenhistas, ou como os quadrinhos são criados diretamente na página sem um roteiro “cinematográfico” antes Roteiro e desenho – diálogos possíveis. Com Eloar Guazzelli, Mika Takahashi, Jefferson Costa e Newton Foot. Mediação de Vitor Cafaggi.

Horário: 13h30
Duelo HQ: Desafio de desenhos com quadrinistas e participação do público

Horário: 15h
É quadrinho ou ilustração? Uma discussão sobre as fronteiras entre quadrinhos e outras narrativas visuais. Com Troche, Gidalti, Gabriel Nascimento e Mariamma. Mediação de Laz Muniz.

Horário: 16h30
Quadrinhos italianos – a trajetória da Bonelli. A maior e mais bem sucedida casa de quadrinhos populares da Europa, criadora de Tex, Nathan Never, Dylan Dog, Julia, Ken Parker… Um bate-papo com quem conhece a Bonelli por dentro! Com Mario Alberti. Mediação de Sidney Gusman.

Horário: 18h
Para além do entretenimento: os quadrinhos como discurso político, didático e ideológico. A narrativa gráfica se presta a uma grande multiplicidade de interpretações. De que forma essa incrível característica foi e é usada como ferramenta para discussões políticas e ideológicas. Com Luiz Gê, Alves e Nilson. Mediação de Fabiano Azevedo.

Horário: 19h30
Bate-papo com Zerocalcare. Bate-papo com o quadrinista italiano Zerocalcare, autor de Kobane Calling. Mediação de Fabiano Azevedo.

Horário: 10h30
Estou começando. As expectativas, dificuldades e desafios de quem está começando a produzir quadrinhos. Com Alec, Rafael Torres, Hyna e Laura Ribeiro. Mediação de Val Armanelli.

Horário: 12h
O real e a ficção nos quadrinhos. Qual a liberdade do autor ao contar uma biografia? Existem limites? Com Samanta Floor, Cynthia Bonacossa, Brenda Costa e PowerPaola. Mediação de Rebeca Prado.

Horário: 13h30
Duelo HQ: Desafio de desenhos com quadrinistas e participação do público

Horário: 15h
Fronteiras dos quadrinhos: Grafitti. De Keith Haring a Banksy, são tantos os consagrados artistas ditos “grafiteiros” cujos trabalhos se apropriaram, de algum modo, de elementos dos quadrinhos… Qual a interseção possível entre essas duas formas de arte? Com Prisca Paes, Paula Puiupo e Binho Barreto.  Mediação de Piero Bagnariol.

Horário: 16h30
Processo colaborativo. A importância do processo colaborativo na produção de histórias em quadrinhos. Com Carina Cardoso, Katia Schetini, Cris Seixas e Julio Ferreira. Mediação de Regis Luiz.

Horário: 18h
Quer ser universal? Cante sua aldeia. Os quadrinhos como registro gráfico de época, de lugar e de contexto sociopolítico: a importância do olhar autoral nativo ao retratar os fatos e a história de sua comunidade. Com Rafael Torres, Ina Gouveia e Pablo Casado. Mediação de João Belo.